RECOMENDE!

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

A IGREJA FOGÃO E AS PANELAS DIVISÓRIAS


Culto das mulheres, dos jovens, da libertação, entre outros títulos partidários que encontramos no meio evangélico são sutis separações que fazemos no rebanho de Deus. A priori transmite uma idéia de junção de um subgrupo, a posteriori chegamos a conclusão que é um cavalo de tróia, parecendo algo espetacular, mas é uma ferrugem que corroí aos poucos seus membros. É um vazamento que mina as forças do corpo.
Quando há um anúncio ‘culto das mulheres’, sendo um homem você iria? Se for inverso fica pior ainda. Uma mulher indo ao culto dos homens. Sabemos que não é exclusivo de um subgrupo, mas o culto já carrega no nome ‘das mulheres’, você entra e noventa por cento do público é mulher, então logo você cai em si que está no lugar errado. Da mesma forma que um crente com muito tempo de igreja não vai ao culto de libertação, pois ou ele vai ‘desencapetar’ os outros ou ele está em pecado. A intenção é ótima, atrair as pessoas que se identificam com aquele título, o partido anunciado, mas gera obstáculos para os outros que não se identificam. Libertação, prosperidade, bem-estar familiar, conhecimento bíblico, restauração e tudo o que se oferece nestes anúncios são conseqüências de todos os cultos a Deus, desde que seus participantes estejam mergulhados numa esfera de fé e obediência. Já o culto dirigido por um subgrupo é extremamente importante, pois gera a necessidade de formar líderes que vão dirigir um culto, mas este culto tem que ser para todos, as preparações devem ser feitas separadas e na sua maturação tem que ser servida a todos. Imagine o culto principal no domingo ser totalmente feito por adolescentes. Louvores, orações e até a Palavra sendo ministrada por eles. Da mesma forma com as mulheres ou a melhor idade. Provavelmente um culto de semana a tarde é dirigido por mulheres, mas o anúncio da reunião deve enfatizar a inclusão de todos.
Outro exemplo é dividir o rebanho em pequenos grupos, para uma igreja com muitos membros isto é inevitável, uma solução, para uma pequena igreja é um ataque terrorista, uma implosão e para uma igreja média é como andar no ‘fio de uma navalha’, situação delicada, é como dividir um átomo, pode gerar uma grande fonte de energia ou uma tremenda explosão. Os grupos vão se fechando e vivem o pequeno grupo mesmo fora dele, ou seja, carregam esta panela fechada para outras atividades que necessita de uma abertura para todos. A idéia de pequeno grupo transcende o motivo do qual foi criado e bloqueia a interação entre eles. Não há engrenagem entre os participantes dos pequenos grupos. Hoje temos uma sociedade hiper dinâmica, horários dos mais variados, por isso há necessidade de reuniões em lugares e dias diferentes, mas nunca podemos esquecer que somos UM CORPO e apenas uma reunião dominical não faz dele um corpo, pois muitas vezes o grupo se reúne mas não tem vida naquele grupo, é um vale de ossos secos. Isto fica nítido quando participamos de alguma atividade fora da igreja onde há uma convivência mais próxima, pode ser apenas três dias, seus relacionamentos e a intensidade entre eles se tornam muito mais próximos e forte, superando anos de comunhão dominical de apenas duas horas. A mão pode até fazer alguma atividade sozinha, mas ela só terá vida se participar do metabolismo corporal, alimentação e exercícios que não há como obtê-los fora do corpo e não há corpo forte que se alimente e se exercite apenas uma vez por semana. Não significa que precisamos nos reunir mais, precisamos a cada dia fortalecer a comunhão entre os membros do corpo fora das reuniões eclesiásticas. Telefonemas, e-mails, integração em passeios, diversões e principalmente em orações uns pelos outros mesmo que distantes fisicamente, assim o corpo se fortalece e cresce.
Fica claro que alguns alimentos precisam ser preparados em panelas separadas, os temperos são outros, a temperatura é diferente, mas é imprescindível que sejam servidos na mesma mesa, na mesma ceia, no mesmo culto que é para um único Senhor. E o culto a Deus é a expressão da nossa adoração refletida nas nossas ações e atitudes diárias nos relacionamentos entre os irmãos e principalmente com aqueles que não compartilham da nossa fé em Cristo. A igreja é um fogão que prepara os alimentos em panelas separadas, mais do que isto, a igreja é a mesa onde todos nós nos sentamos para participar de uma ceia servida pelo Nosso Senhor Jesus Cristo.

Clodoaldo Clay Nunes
20.02.2006

sábado, fevereiro 11, 2006

Deus não vai perguntar...

Deus não vai perguntar que tipo de carro você costumava dirigir, mas vai perguntar quantas pessoas que necessitavam de ajuda você transportou.Deus não vai perguntar qual o tamanho da sua casa, mas vai perguntar quantas pessoas você abrigou nela.Deus não vai fazer perguntas sobre as roupas do seu armário, mas vai perguntar quantas pessoas você ajudou a vestir.Deus não vai perguntar o montante de seus bens materiais, mas vai perguntar em que medida eles ditaram sua vida.Deus não vai perguntar qual foi o seu maior salário, mas vai perguntar se você comprometeu o seu caráter para obtê-lo.Deus não vai perguntar quantas promoções você recebeu, mas vai perguntar de que forma você promoveu outros.Deus não vai perguntar qual foi o título do cargo que você ocupava, mas vai perguntar se você desempenhou o seu trabalho com o melhor de suas habilidades.Deus não vai perguntar quantos amigos você teve, mas vai perguntar para quantas pessoas você foi amigo.Deus não vai perguntar o que você fez para proteger seus direitos, mas vai perguntar o que você fez para garantir os direitos dos outros.Deus não vai perguntar em que bairro você morou, mas vai perguntar como você tratou seus vizinhos.E eu me pergunto: que tipo de respostas terei para dar?
Você quer ser feliz por um instante? Vingue-se.Você quer ser feliz para sempre? Perdoe!
Whit Criswell

EXPERIÊNCIA COM MACACOS

OS CINCO MACACOS E AS BANANAS
Numa experiência científica um grupo de cientistas, colocou cinco macacos numa jaula. No meio uma escada e sobre ela um cacho de bananas. Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e batiam muito nele. Com mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas. Então os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo retirado pelos outros que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada. Um segundo foi substituído e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo da surra ao novato. Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto e, afinal, o último dos veteranos foi substituído. Os cientistas então ficaram com o grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas. Se fosse possível perguntar a algum deles porque eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: "Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui".
Albert Einstein dizia: "É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito".

TEOLÓGICA Clay e Aroldo

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

A mente

Gosto de gente com a cabeça no lugar

Gosto de gente com a cabeça no lugar, de conteúdo interno, idealismo nos olhos e dois pés no chão da realidade.

Gosto de gente que ri, chora, se emociona com uma simples carta, um telefonema , uma canção suave, um bom filme, um bom livro, um gesto de carinho, um abraço de afago.

Gente que ama e curte saudades, gosta de amigos, cultiva flores, ama os animais, admira paisagens poeira e escuta.

Gente que tem tempo para sorrir bondade, semear perdão, repartir ternura, compartilhar vivências e dar espaços para as emoções dentro de si, emoções que fluem naturalmente de dentro do seu ser.

Gente que gosta de fazer coisas que gosta, sem fugir dos compromissos difíceis e inadiáveis, por mais desgastantes que sejam.

Gente que colhe, orienta e se entende, aconselha, busca a verdade e quer sempre aprender, mesmo que seja de uma criança, de um pobre, de um analfabeto.

Gente de coração desarmado, sem ódio e preconceitos baratos, com muito amor dentro de si.

Gente que erra e reconhece, cai e se levanta, apanha e assimila os golpes, tirando lições dos erros e fazendo redentora suas lágrimas e sofrimentos.

(Arthur de Távola)

A vida (Gandhi).

A vida
Pegue um sorriso e doe-o a quem jamais o teve.
Pegue um raio de sol e faça-o voar lá onde reina a noite.
Descubra uma fonte e faça banhar-se quem vive no lodo.
Pegue uma lágrima e ponha-a no rosto de quem jamais chorou.
Pegue a coragem e ponha-a no ânimo de quem não sabe lutar.
Descubra a vida e narre-a à quem não sabe entendê-la.
Pegue a esperança e viva na sua luz.
Pegue a bondade e doe-a a quem não sabe doar.
Descubra o amor e faça-o conhecer ao mundo.
(Mahatma Gandhi)

terça-feira, fevereiro 07, 2006

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

AGORA É A HORA!

Redação Vencedora

Num processo de seleção da Volkswagen, os candidatos deveriamresponderàseguinte pergunta: "Você; tem experiência?" A redação abaixo foi desenvolvida por um dos candidatos. Ele foiaprovadoe seu texto está fazendo sucesso, e ele com certeza será semprelembradopor sua criatividade, sua poesia, e acima de tudo por sua alma. REDAÇÃO VENCEDORA:Já fiz cosquinha na minha irmã só pra ela parar de chorar, já mequeimei brincando com vela. Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo orosto, já conversei com o espelho, e até já brinquei de ser bruxo.Já quis ser astronauta, violonista, mágico, caçador e trapezista. Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora. Já passei trotepor telefone. Já tomei banho de chuva e acabei me viciando. Já roubei beijo. Já confundi sentimentos. Peguei atalho errado econtinuo andando pelo desconhecido. Já raspei o fundo da panela de arroz carreteiro, já me cortei fazendo a barba apressado, já chorei ouvindo música no ônibus. Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que essas são asmais difíceis de esquecer. Já subi escondido no telhado pra tentarpegar estrelas, já subi em árvore pra roubar fruta, já caí da escada debanda. Já fiz juras eternas, já escrevi no muro da escola, já chorei sentado no chão do banheiro, já fugi de casa pra sempre, e voltei no outroinstante. Já corri pra não deixar alguém chorando, já fiquei sozinho no meio de mil pessoas sentindo falta de uma só.Já vi pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado, já me joguei na piscinasem vontade de voltar, já bebi uísque até sentir dormentes os meuslábios, já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar.Já senti medo do escuro, já tremi de nervoso, já quase morri de amor, mas renasci novamente pra ver o sorriso de alguém especial. Já acordeino meio da noite e fiquei com medo de levantar. Já apostei em correr descalço na rua, já gritei de felicidade, jároubei rosas num enorme jardim. Já me apaixonei e achei que era para sempre, mas sempre era um "para sempre" pela metade.Já deitei na grama de madrugada e vi a Lua virar Sol, já chorei porver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos, e a vida é mesmo um ir e vir sem razão.Foram tantas coisas feitas, momentos fotografados pelas lentes daemoção, guardados num baú, chamado coração. E agora um formulário meinterroga, me encosta na parede e grita: "Qual sua experiência?". Essa pergunta ecoa no meu cérebro: experiência... Experiência. Seráque ser "plantador de sorrisos" é uma boa experiência? Não!Talvez eles não saibam ainda colher sonhos! Agora gostaria de indagar uma pequena coisa para quem formulou esta pergunta: "Experiência? Quem a tem, se a todo o momento tudo se renova?"

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

CAFÉ COM LEITE, MALA PRETA OU ESTÁ NO SEGURO?

Como podemos ouvir que Jesus não tinha possibilidade de pecar porque era Deus. Que Jesus é esse? Se eu fosse Jesus me sentiria ofendido ao ouvir tamanha blasfêmia. Mas como Ele mesmo disse: “Perdoa-os Pai, pois não sabe o que falam”.
Primeiro, Ele se esvaziou de si mesmo. Esvaziou do quê? Esvaziou-se dos seus atributos divinos, isto é, se tornou homem mortal, mas contudo não deixou de ser Deus. Vemos Paulo dizer aos Filipenses 2.5-8. “Se esvaziou, tornou-se semelhantes aos homens, obediente até a morte” e também aos Romanos 8.3,4, “Deus enviou seu próprio filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado”, podemos entender claramente que Jesus deixou seus ‘poderes’ e se tornou semelhante a nós em relação ao pecado até a sua morte. Percebemos que Ele não se tornou igual mas semelhante, então é quase igual, falta pouco e este pouco é o domínio perdido por Adão. Se Deus quisesse alguém igual ao homem Jesus seria concebido de forma natural. Mas Deus queria um homem igual a Adão antes da queda, um homem com o domínio sobre a terra, céu e mar, concebido pelo próprio Deus. Um homem zero quilômetro, sem a semente do pecado em seu coração, mas com a possibilidade de pecar como Adão pecou, um homem sem o ‘conhecimento do bem e do mal’ (ressaltando que como Deus é claro que conhecia), uma terra virgem.
Podemos confirmar que Jesus era um homem normal que dependia de Deus e do Espírito Santo. Desde o nascimento (Lc 1.15;35), Batismo (Lc 3.22), foi levado pelo Espírito à tentação (Lc 4.1), cheio do Espírito para pregar, curar (Lc 4.18) e expulsar demônios (Mt 12.28). Então será que Jesus vivendo como Deus, ou melhor podendo utilizar seus poderes divinos iria necessitar do Espírito Santo até para pregar.
Jesus não usou seus poderes para fazer coisa alguma , ele mesmo disse em João 14.10 que é o Pai que está Nele é Quem faz as obras. Obras que podem ser até maiores dependendo da nossa fé e comunhão com o Pai (Jo 14.12). A divindade ativa em Jesus é o Espírito Santo, desta mesma forma nós também podemos canalizar está atividade divina através do fluir do Espírito Santo em nossas vidas.
Agora se falarmos que Jesus não tinha possibilidade de pecar, então estamos vendo Jesus como ‘café com leite’ na brincadeira. Lembra, no pega-pega, uma criança menor e indefesa queria brincar, ela participava sem correr riscos, sem punição. Ou podemos vê-lo como “mala preta”, como nos jogos de futebol que são comprados dias antes, o resultado já é certo. Entram em campo apenas para interpretar suas decisões. Ou então como se diz nos presídios, ‘tá no seguro’, tem alguém ou algo dando cobertura, segurança. Não participa e não luta somente com suas forças.
Então como Jesus pode falar: “Eu venci o mundo”, pois se o jogo foi vencido por piedade do oponente, suborno ou as custas de terceiro sua vitória não foi legítima. Uma vitória legítima é aquela conquistada por seus méritos dentro dos padrões e regras pré-estabelecidas. Como está escrito em Hebreus 2.17,18, a vitória na cruz só teve validade porque Jesus viveu semelhante aos homens e em tudo foi tentado, por isso pode socorrer aos que são tentados, ou seja, se você nunca usou drogas dificilmente você poderá entender e ajudar um drogado de forma plena.
Para concluir, João nos lembra que aqueles que não confessam que Jesus veio em carne não são de Deus, são enganadores. Por isso creio que Jesus viveu como homem semelhante a nós e com a possibilidade do erro através do seu livre arbítrio. Não vejo a quarentena no deserto como a única ou maior tentação sofrida por Jesus. Como nós, Jesus deve ter tido sua vida inteira tentada, de ponta a ponta, é claro com algumas tréguas, pois Ele orava constantemente, um homem cheio do Espírito Santo. Se não fosse assim as suas palavras de entusiasmo, garra, força, resistência, combate, ânimo, alegria, paz e amor não teriam o poder que elas têm. Seriam apenas a utopia de um Deus que tirou uma temporada entre os homens. Mas graças a Deus que enviou seu único Filho e a Jesus que aceitou se despojar da sua posição e dos seus atributos para se tornar semelhante a mim e a você, entender como homem o que sentimos nas tentações, nos dar o consolo e a força necessária em cada situação. Através desta atitude hiper altruísta de Jesus podemos encontrar o caminho de volta aos braços do Pai, neste mundo de tantas tentações a oferecer nos desviando da santidade, Jesus é Luz que ilumina nossos passos, Ele é o Pastor que guia suas ovelhas com segurança em meio ao mais terrível abismo porque Ele já passou por lá e não caiu, por isso Seu Nome triunfará gloriosamente por toda eternidade.

CLODOALDO CLAY NUNES
31.01.2006

Minha Família