RECOMENDE!

segunda-feira, abril 28, 2008

Terapeutas do deserto - prefácio

"Não há oposição entre o conhecimento de si mesmo que a psicologia propõe e o conhecimento de si mesmo que a espiritualidade propõe. Porque uma psicologia que não se abre a um itinerário espiritual corre o risco de nos enclausurar e, mesmo, nos desesperar. (...) Assim, o que impressiona em um ser humano que entrou neste caminho de transformação é, ao mesmo tempo, sua grandeza e humildade.
Ele sabe que é pó e que ao pó retornará. Mas sabe também que é luz e que à luz retornará. E o que é o ser humano, senão esta poeira que caminha para a luz e que dança nela?
É a este caminhar, a esta marcha que nós somos convidados por Fílon de Alexandria, Francisco de Assis e Graf Durckheim. E a vocês todos, desejo uma boa caminhada, um belo itinerário, com cumes e vales a atravessar.
Porque o importante mesmo é caminhar!
"Refletiremos sobre São Francisco que, para mim, é uma figura seminal, quer dizer, é uma semente; está na raiz. Esta reflexão pode nos ajudar a entender a caminhada para o milênio. É um mestre que vai nos encaminhar para o novo. (...) Ele é um dos arquétipos da humanidade reconciliada, um arquétipo que fala das dimensões messiânicas e, sendo assim, renasce, sempre vive e ganha novas figurações. Através dele podemos ter esperanças de nos resgatar, de nos reconciliar com todas as coisas e antecipar a utopia do Reino de Deus dentro de nós, que rompe para fora, como utopia e como realização histórica".

Jean-Yves Leloup
Leonardo Boff

Miúdo


O Monstro da Indiferença

Se eu morrer, morre comigo um certo modo de ver, disse o poeta. Um poeta é só isso: um certo modo de ver. O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar.
Vê, não vendo.
Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia sem ver. Parece fácil, mas não é.
O que nos é familiar já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio. Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta. Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no seu caminho, você não sabe.
De tanto ver, você não vê.
Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo porteiro.Dava-lhe "bom dia" e, às vezes, lhe passava um recado ou uma correspondência. Um dia, o porteiro cometeu a descortesia de falecer.
Como era ele? Sua cara, sua voz, como se vestia? Não fazia a mínima idéia. Em 32 anos, nunca o viu.Para ser notado, o porteiro teve que morrer.
Se um dia, no seu lugar estivesse uma girafa cumprindo o rito, pode ser que ninguém desse por sua ausência.
O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem.
Mas, há sempre o que ver: gente, coisas, bichos.
E vemos?
Não, não vemos.
Uma criança vê o que um adulto não vê, pois tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo.
O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de tão visto, ninguém vê.
Há pai que nunca viu o próprio filho, marido que nunca viu a própria mulher. Isso exige muito.
Nossos olhos se gastam no dia-a-dia.
É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.
Texto de Otto Lara Resende

Saudades



Saudade é solidão acompanhada,
É quando o amor ainda não foi embora,
Mas o amado já...
Saudade é amar um passado
Que ainda não passou,
É recusar um presente que nos machuca,
É não ver o futuro que nos convida...
Saudade é sentir que existe
O que não existe mais...
Saudade é o inferno dos que perderam,
É a dor dos que ficaram para trás,
É o gosto de morte na boca dos que continuam...
Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
Aquela que nunca amou.
E esse é o maior dos sofrimentos:
Não ter por quem sentir saudades,
Passar pela vida e não viver.
O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.
Texto de Pablo Neruda

My horse


2 Tm 1.6


Juventude Eterna

Essa história que eu vou contar agora aconteceu com uma mulher inteligente que estava fazendo uma palestra. Diz ela: "Mês passado participei de um evento sobre o Dia da Mulher.
Era um bate-papo com uma platéia composta de umas 250 mulheres de todas as raças, credos e idades. E por falar em idade, lá pelas tantas, fui questionada sobre a minha e, como não me envergonho dela, respondi. Foi um momento inesquecível...
A platéia inteira fez um "oooohh" de descrédito.
Aí fiquei pensando: "pô, estou neste auditório há quase uma hora exibindo minha inteligência, e a única coisa que provocou uma reação calorosa da mulherada foi o fato de eu não aparentar a idade que tenho?
Onde é que nós estamos?"
Onde não sei, mas estamos correndo atrás de algo caquético chamado "juventude eterna". Estão todos em busca da reversão do tempo.
Acho ótimo, porque decrepitude também não é meu sonho de consumo, mas cirurgias estéticas não dão conta desse assunto sozinhas. Há um outro truque que faz com que continuemos a ser chamadas de senhoritas mesmo em idade avançada.
A fonte da juventude chama-se mudança.
De fato, quem é escravo da repetição está condenado a virar cadáver antes da hora. A única maneira de ser idoso sem envelhecer é não se opor a novos comportamentos, é ter disposição para guinadas.
Eu pretendo morrer jovem aos 120 anos.
Mudança, o que vem a ser tal coisa? Minha mãe recentemente mudou do apartamento enorme em que morou a vida toda para um bem menorzinho.
Teve que vender e doar mais da metade dos móveis e tranqueiras, que havia guardado e, mesmo tendo feito isso com certa dor, ao conquistar uma vida mais compacta e simplificada, rejuvenesceu.
Uma amiga casada há 38 anos cansou das galinhagens do marido e o mandou passear, sem temer ficar sozinha aos 65 anos.
Rejuvenesceu.
Uma outra cansou da pauleira urbana e trocou um baita emprego por um não tão bom, só que em Florianópolis, onde ela vai à praia sempre que tem sol.
Rejuvenesceu.
Toda mudança cobra um alto preço emocional.
Antes de se tomar uma decisão difícil, e durante a tomada, chora-se muito, os questionamentos são inúmeros, a vida se desestabiliza.
Mas então chega o depois, a coisa feita, e aí a recompensa fica escancarada na face.
Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna.
Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho.
Quem dá brilho ao olhar é a vida que a gente optou por levar.
Olhe-se no espelho...
Texto de Martha Medeiros

CASAMENTO

Quereis saber o que faz um bom casamento? Os sentidos, na juventude; o hábito, na maturidade; e a recíproca necessidade, na velhice.
O amor é uma harpa eólia, que soa sozinha; o casamento é um harmônio que só chega a soar à força de pedais.
Chama-se santo ao casamento porque conta com inúmeros mártires.
Casa-te cedo demais, e irás arrepender-te tarde demais.
Um marido surdo e uma mulher cega formam sempre um par feliz.
O casamento é aquela relação entre homem e mulher na qual a independência é igual, a dependência é mútua, e a obrigação recíproca.
Casamento: alto-mar para o qual ainda não se inventou bússola.
Antes de partires para a guerra, reza uma vez; antes de embarcares para o mar, reza duas vezes; antes de te casares, reza três vezes.
Não é bom que o homem esteja só.

Clay


formandos


me


quarta-feira, abril 23, 2008

Nossa FCC

A nossa Festa de Conclusão de Curso foi ótima, só não foi excelente porque nem todos a prestigiaram. Senti muita falta de muitos irmãos que lutam ao meu lado na trincheira dos estudos. Tempo que aprendi a amar e a confiar em muitos deste pelotão. Tempo que aprendemos a compartilhar informação, necessidades e o nosso coração. Foi uma corrida que nos estávamos proposta, uma maratona de quatro anos que diferentemente das outras, não tinha um vencedor, mas vencedores, por isso a motivação em correr em equipe. É certo que falhamos muito neste quesito, entretanto o espírito de união sempre esteve em nós. Triste foi ver muitos abandonarem a prova por vários motivos, mas alegre foi cruzar a linha de chegada com uma boa turma.
Na hora do pódio, da satisfação e da alegria, faltaram alguns. No momento do reconhecimento e da satisfação de receber este reconhecimento, alguns não estavam. Agora no momento da festa e da comemoração, muitos não deram importância. Sei que para pouquíssimos não houve como ir mesmo. Mas tenho comigo que tudo na vida é questão de prioridades, se priorizar dá tempo e tem como. É questão de valorizar uma coisa mais que outra. É valorizar um dia alegre com os amigos, mesmo que não os considere como amigos, sempre serão os colegas da faculdade de um curso com ênfase espiritual.
Mas mesmo assim nossa festa estava um espetáculo. Um belo dia num belo sítio com belos amigos desfrutando de um belo banquete. Sobrou muita comida porque esperavam o prestígio dos irmãos. Nos carros também sobraram lugares porque contávamos em ajudar os irmãos que não tem transporte, mas tudo bem.
Quantas cenas foram gravadas na memória e algumas mais fortes ficaram no coração. Nosso jogo bola com meninos e meninas juntos, depois só os fedidos. O divertido Uno que demos boas risadas. As crianças brincando e apreciando toda aquela maravilha. E foi bom ouvir as músicas tocadas pela Rose, assim como participar, é claro, de uma discussão teológica. Aliás, não existiu momento ruim, a não ser a hora de dar tchau e ir.
Este tipo de confraternização é muito importante para o coletivo porque continua alimentando e dando vida para o nosso grupo, entretanto é importantíssimo para o individual, pois além da alegria de rever os irmãos e cativar estas amizades, há também o papel ministerial e espiritual que pode gerar frutos riquíssimos para cada um. Talvez até hoje nós não desfrutamos muito desta área porque a grande maioria ainda não exercita um ministério de peso em suas igrejas. Sabemos que isto é fato, os problemas irão chegar, ou melhor, aumentar. E fora os problemas ‘seculares’, teremos que direcionar cada vez mais a atenção para as batalhas espirituais, tanto as nossas como as dos nossos liderados e ninguém consegue isto estando abandonado. E nada melhor do que ter um grupo que caminhou e cresceu junto espiritualmente. Por isso vamos alimentar nossa união.
Já falei com os irmãos no sítio para fazermos outras confraternizações e mais, nos encontrar para ajudarmos necessitados e também encontros com fins espirituais. Sendo assim já estamos preparando o próximo encontro que será no meu sítio. Podemos ir num dia voltar no outro para fazermos uma vigília ou podemos fazer um bate-volta como desta vez. É só questão de conversar para juntos a alegria saborear.

Clodoaldo Clay Nunes
22.04.2008

terça-feira, abril 22, 2008

Modinha Dom Pedro


A moda tem ditado o visual das pessoas ao longo do tempo. Desde que Deus confeccionou trajes ao primeiro casal da humanidade que as roupas ganharam enorme status que dividem as pessoas de acordo com o seu visual. Já passamos pelo glamour e a ostentação das roupas luxuosas até chegar nas atuais perniciosas.
Atualmente, homens e mulheres buscam a sensualidade para se enfeitarem. Entretanto a sensualidade está em todo tipo de roupas, pois ela está mais na cabeça de quem vê do que no visual apresentado. E infelizmente as pessoas do século XXI se entregam a vulgaridade achando que estão sendo sensuais. Ser sensual significa despertar os prazeres do sentido do sexo oposto e para isso basta um lindo cabelo ou simplesmente olhos cativantes. A sensualidade da mulher está na sua feminilidade e com roupas extravagantes passa do sensual para o vulgar.
Quando tinha meus 18 anos, há quinze anos atrás, existia e ainda existe até hoje uma avenida chamada Dom Pedro onde era e continua sendo um reduto de prostitutas. Engraçado é que as roupas que as prostitutas usavam naquela época são as mesmas usadas por moças, crianças e até senhoras de hoje. E as roupas atuais das prostitutas são mais comportadas do que das mulheres denominadas “de família”.
Blusinhas extremamente decotadas, e quem as usam são as que têm mamas avantajadas. Jogam os peitos na cara de quem quiser ver como se tivessem uma bunda desnuda abaixo do pescoço. Isto quando não abandonam o sutiã deixando a amostra o contorno dos “tetês”, sem falar do farol alto que ofusca os olhos de quem vê.
As calças de hoje não tem mais cavalo, apenas há um miniponei onde cuecas e calcinhas ficam a mostra. Isto quando não chegam ao cúmulo de apresentarem o rego e os pêlos, um absurdo!!!
É normal mulheres usarem roupas que deixam o abdômem de fora. E o ventre é extremamente erótico. Por isso os árabes o exploram em suas danças. Não digo que toda mulher que apresenta seu abdômem em público seja vulgar. Neste caso o que importa é o lugar. Muitas não têm senso crítico para escolher os poucos lugares onde se pode usar e assim muitas caem no ridículo.
Se trabalha com homens e usa roupas vulgares, a mulher está constantemente estuprando a mente dos coitados. E estes, se olham são considerados tarados.
Quanto mais ela se rebaixar, mais homens terá. Só que são interessados apenas no produto que elas oferecem, ou seja, sexo. Fora isso, são poucos os que aceitam desfilarem com mulheres vulgares. E quase sempre os que aceitam são farinha do mesmo saco, ou não tem voz pra nada ou apenas comem o que lhe colocado no prato.
A mulher tem que se dar valor e não entrar neste enxame destruidor, onde destrói sua dignidade, feminilidade e principalmente a pureza de uma sadia sensualidade.

Clodoaldo Clay Nunes
21.04.2008

sábado, abril 19, 2008

família


sexta-feira, abril 18, 2008

Fale de seus sentimentos

Se não quiser adoecer - "fale de seus sentimentos".
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna.Com o tempo, a repressão dos sentimentos, a mágoa, a tristeza, a decepção degenera até em câncer. Então, vamos confidenciar, desabafar, partilhar nossa intimidade, nossos desejos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra é um poderoso remédio e poderosa terapia. Se não quiser adoecer - "tome decisão".
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia.A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir, é preciso saber renunciar, saber perder vantagens e valores para ganhar outros.As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.
Se não quiser adoecer - "busque soluções".
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor acender o fósforo que lamentar a escuridão. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe.
Se não quiser adoecer - "não viva sempre triste".
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem a vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive.
Se não quiser adoecer - "não viva de aparências".
Quem esconde a realidade, finge, faz pose, quer sempre dar a impressão de estar bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc. Está acumulando toneladas de peso... Uma estátua de bronze, mas com pés de barro.
Se não quiser adoecer - "aceite-se".
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável.
Texto de Dráuzio Varella