RECOMENDE!

quinta-feira, janeiro 21, 2010

OS DESENGANADOS E OS ENGANADOS



Não sei se ainda hoje se fala assim, mas até há alguns anos se dizia, a respeito de alguém que estivesse gravemente enfermo, que ele estava desenganado. Ou seja, que estava à beira da morte. Quanto mais penso mais acho curioso o fato de usarmos a palavra “desenganado” quando nos referimos a uma pessoa que vai morrer, já que isso vai acontecer a todos nós. Desenganado é aquele que já sabe que vai morrer, ao passo que nós, que gozamos de boa saúde, que ainda não sabemos que vamos morrer, somos os “enganados”.
Nos relacionamos de uma forma extremamente complexa com o fato de sermos mortais. A tendência que predomina em nós é a de negá-la, o que define o mecanismo pelo qual nos tornamos “enganados”, aqueles que fingem não saber que vão morrer. Poucas são as pessoas que, em plena saúde, pensam na morte como uma possibilidade permanente. Poucos levam em conta a morte como parte dos seus projetos de vida: a morte determina um sentimento de urgência, de que não podemos adiar indefinidamente nossas decisões, de que temos que fazer opções e aceitar perdas. Aliás, uma das dificuldades de lidar com as perdas é que todas elas têm algo da morte, da inaceitável e inexorável finitude. Ao pararmos de fumar dizemos: “nunca mais poderei fumar um cigarro”! Nunca mais é quase sinônimo de morte; é vivenciar a morte em vida. Rupturas amorosas provocam sentimentos equivalentes.
Mesmo aqueles que se empenham em não fazer parte dos “enganados” têm que viver como se fossem eternos. Em termos, é claro. Não cabe, aos 80 anos de idade, continuar a trabalhar e a poupar para o “futuro” da mesma forma que se faz aos 30 anos. Não é o caso, porém, de se abandonar todos os projetos e planos para o futuro, já que não é impossível que se possa viver ainda uns 10 ou 15 anos com boa atividade e lucidez. Penso que o ideal é se posicionar mais ou menos da seguinte forma: sabemos que somos mortais e que poderemos morrer a qualquer instante. Porém, temos que atuar como se fôssemos viver para sempre. Trata-se de ter, ao mesmo tempo, consciência da finitude e humildade de saber que não se é dono do próprio destino.
Não creio que se deva pensar de modo diferente no caso de sermos portadores de alguma doença mais ou menos grave. Mesmo respeitando os médicos e a medicina, não são eles -- e nem os exames que eles nos mandam fazer -- os que vão decidir sobre se estamos em vias de morrer ou não. Vivemos a vida com a sombra da morte ao nosso lado. Mesmo que uma tomografia ou outro exame detecte de modo vigoroso a presença da sombra da morte, isso não deveria nos surpreender tanto e nem mesmo considerarmos que já fomos julgados e que o veredicto da morte é fato consumado, que a vida já foi derrotada. Penso que cada situação existencial contém os ingredientes da vida e da morte e os exames são como uma fotografia, o registro de um estado momentâneo que sempre poderá ser alterado. Nós que não estamos enganados não poderemos ser desenganados.
Nós que não estamos enganados podemos estar com saúde ou doentes. Em ambos os casos, sabemos que se trata de uma fotografia instantânea e não de um filme permanente e definitivo. Talvez devamos compreender que a vida é mesmo uma luta permanente -- agonia é sinônimo de luta, como aprendi lendo Miguel de Unamuno, escritor e ensaista espanhol do século passado. Lutamos contra inúmeros obstáculos e adversidades externas. Lutamos contra inimigos reais, animados e inanimados. Lutamos contra adversidades climáticas e tentamos sobreviver a guerras e a invasões de microorganismos. Lutamos para permanecer serenos diante de situações alarmantes e ameaçadoras, para manter a alegria mesmo em situações mais tristes, para sermos ponderados mesmo quando somos provocados etc. Nenhuma dessas eventuais vitórias é definitiva, de modo que em futuras situações teremos que voltar à luta com igual vigor e persistência. A luta é diária e ininterrupta.
Nenhuma luta contra adversidades externas é tão difícil e dolorosa quanto a que travamos internamente entre nossas tendências construtivas e destrutivas, entre a vida e a morte. A briga é permanente e independe de estarmos ou não com boa saúde. Não creio que seja igualmente relevante o fato de estarmos doentes -- tanto as banais como as de maior gravidade e perigo. Estamos sempre diante de um estado momentâneo, de uma fotografia. A luta é contínua. Tanto faz se estamos sadios ou doentes, temos que lutar pela vida e contra a morte a cada dia, a cada instante. Temos que lutar com todas as nossas forças para prolongar a vida e fazer dela uma condição construtiva e produtiva tanto para nós como para os que nos cercam. Temos que lutar sabendo que, no fim, seremos derrotados; a morte, e só ela, dará fim à nossa agonia. Quando a batalha final chegar, os que souberam lutar com dignidade também saberão aceitar a derrota com docilidade.






Escrito em 2 de fevereiro de 2003.


Flávio Gikovate.

Nenhum comentário: