RECOMENDE!

sexta-feira, abril 23, 2010

Ai, ai, ai...






De onde vem esta depressão
Que cala minha expressão
Enche-me de dor
Um enorme horror

Não sei se vem de fora
Ou se vem de dentro
Só sei que nesta hora
Sou tomado por este tormento

A pior coisa é a angústia
Um vazio que enche o coração
E estraga o meu dia
Não! Não quero isto não

Livra-me Senhor
Livra-me deste horror
Que em mim faz guerra
E joga-me na terra

Caído, prostrado no chão
Não vejo outra solução
Passar a régua somente
Isto não me convence

Quero a liberdade
Ser liberto da ansiedade
Do medo e da tristeza
Preciso da Sua destreza

Busco em Ti meu Pai
Um caminho feliz
Sem este amontoado de ais
Que me faz infeliz

Ilumina o meu dia
Dissipa o céu nublado
Assim encontrarei alegria
Para caminhar ao Seu lado.

Clodoaldo Clay Nunes

23.04.2010

quinta-feira, abril 22, 2010

ESQUISITOS 2










BEYONCE

video

Gabriela Correa - A médica e o monstro



Novamente vemos a ficção e a verdade se fundirem homogeneamente na nossa realidade. O livro clássico do escocês Robert Louis Stevenson (1850/1894), escrito em 1886 com o nome original de "The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde", é um dos mais filmados na história do cinema fantástico, com uma infinidade de versões. Entretanto a melhor versão é a real. Todos nós temos um médico e um monstro dentro de nós. Um ser que ama a vida e deseja protegê-la com todo cuidado possível e paradoxalmente possuímos um monstro que é capaz de passar por cima de tudo e de todos por causa do egoísmo, ganância ou pura maldade. Paulo falou do seu monstro para os romanos (Romanos 7.15-20), explicitou a sua luta contra o mal que age em seu coração. Podemos constatar que nem o apóstolo Paulo escapou da contaminação maligna. Não há um justo sequer (Rm 3.10), nossos exames clínicos espirituais estão todos confirmados como ‘reagentes’, somos contaminados pela semente da maldade que germina no coração podendo alcançar um tamanho que assusta os próprios contaminados, ou seja, todos nós.
Fácil, mas muito fácil é julgar alguém que comete barbaridades, ainda mais se o maldoso for uma pessoa que está rotulada somente para o bem. O abismo entre a bondade e a maldade é imenso, por isto o choque. Entretanto não damos conta do contraste entre a luz e as trevas do nosso próprio coração. Julgamos e apedrejemos os ladrões e assassinos, contudo não nos preocupamos com o ódio e a inveja que para Deus é uma forma de assassinado e roubo. Criticamos e condenamos os que agridem os pais e os filhos, mas pouco ligamos para o abandono que é uma cruel agressão, pais são abandonados em asilos e crianças são órfãs de pais vivos.
Neste recente caso da médica Gabriela Correa que participou das barbáries cometidas na capital mineira logo dizemos: “Como uma garota linda, formada em medicina e com um belo horizonte na vida, se envolve numa situação que não se explica?” Não será a beleza, uma formação intelectual ou um futuro promissor que dissipará o mal do coração de uma pessoa. O bem e o mal, o médico e o monstro se posicionará e guerreará no campo de batalhas do coração de qualquer individuo, não há exceção. A maldade não está na cara, está no coração.
Você está enxergando a enorme maldade no coração da Gabriela? Isto é somente um reflexo do nosso próprio coração. Na Gabriela só vemos o infinito horizonte diabólico que há disponível em nossos corações. Ela é mais um exemplo para examinarmos a nós mesmos, não como um miserável que olha para ela e se vê como um santo canonizado, mas sim, um espelho que nos mostra o tamanho do mal que habita em nós e qual é o tamanho que o nosso monstro está.
Não a defendo, minha vontade é vê-la torturada e morta sem a cabeça como este grupo fez com suas vítimas, entretanto esta não é a vontade do ‘médico’ que habita em mim, mas do monstro que deseja expelir sua maldade com a máscara da justiça. Não estamos aqui para julgar, pois se nem Jesus que é ‘O Cara’ não julga (Jo 3.17) quem somos nós para julgar.
O perdão é uma forma de absolvição espiritual, é a cara dela e de todos que comentem crimes cumprirem sua condenação física, seja ela a detenção ou até mesmo a pena de morte, mas a absolvição espiritual, desde que o culpado queira, é dever de todos nós, isto engloba o não-julgamento e o perdão, quem não perdoa, jamais será perdoado (Mt 6.12) e quem não precisa de perdão pode apedrejar (Jo 8.1-11). Quem se dispõe?
Sêneca disse: “Sou humano e nada do que é humano me é estranho”. Não fico boquiaberto com estas crueldades, para o humano a maldade é intrínseca, já a bondade, o respeito e o amor ao próximo é necessário se esforçar e lutar para alcançarmos a boa parte do que é ser humano. E para isto dependemos da intensidade da luz divina que ilumina nosso coração, pois em nós não há bem algum, em nenhum sequer (Rm 3.12; Rm 7.18).



Clodoaldo Clay Nunes, 2010, Abril, 21

quinta-feira, abril 08, 2010

Falta De Conhecimento




"Jesus, porém, lhes respondeu: Errais, não compreendendo as Escrituras nem o poder de Deus" (Mateus 22:29);

Uma pesquisa do Gallup, há alguns anos, mostrava que sessenta por cento dos americanos não sabiam o que era "Trindade Santa". Sessenta e seis por cento não sabiam quem havia pregado o "Sermão da Montanha" e Setenta e nove por cento eram incapazes de citar sequer um profeta do Velho Testamento. Quando pessoas são questionadas sobre a Bíblia,
em rádio e televisão, é desconcertante ver a falta de conhecimento sobre o assunto. Alguns se mostram quase tão confusos quanto o menino que escreveu em sua folha de teste: "As epístolas eram as mulheres dos apóstolos e Sodoma e Gomorra eram marido e mulher".

E nós, cristãos, temos sido diferentes dessa pesquisa? Temos buscado a Deus e o conhecimento de Sua Palavra? Temos usado Seus ensinos para viver de maneira abundante e feliz?

Muitas vezes dizemos que somos filhos de Deus, vamos à igreja nos finais de semana, até acompanhamos alguns hinos que são cantados e... mais nada! Ignoramos completamente a palavra ensinada, não lemos e, às vezes, nem temos uma Bíblia para estudar, não nos preocupamos com o testemunho e o brilho que deveria marcar a nossa presença em todos os lugares, vivemos uma vida de aparência e , mesmo assim, apenas nos horários de reunião.

É essa a verdadeira vida cristã? É essa a vida dos que desejam conquistar grandes vitórias? É assim que deve proceder aqueles que Deus colocou na terra como Seus representantes?

O cristão precisa conhecer bem o "manual de fé" que o Senhor lhe deixou. É nas Sagradas Escrituras que encontramos as respostas para nossas dúvidas e inquietudes. É ali que aprenderemos a confiar no Salvador e seguir suas pisadas em direção à perfeita felicidade e a vida eterna.

Quem desconhece a Bíblia também desconhece o Deus da Bíblia. E se não O conhece, não encontrará oportunidade de buscá-lo e receber o bálsamo que Ele tem preparado para cada uma de nossas necessidades espirituais.

Leia a Bíblia e desfrute das incontáveis bênçãos que Deus tem para você.

Pr. Paulo Roberto Barbosa

Olhos


Nós só vemos aquilo que somos. Ingênuos, pensamos que os olhos são puros, dignos de confiança, que eles vêem as coisas como elas exatamente são. Puro engano. Os olhos são pintares: eles pintam o mundo de fora com as cores que moram dentro deles. Olho luminoso vê mundo colorido; olho de trevas trevoso vê mundo escuro.

Rubem Alves – Coisas que dão alegria

terça-feira, abril 06, 2010

Seios

Sua boquinha no seio da mãe: sem saber nada de você já sabe a filosofia essencial. No seio se encontra o resumo de tudo o que vale a pena ser sabido. Primeiro, que é importante viver. O leite dá vida. Mas o seio não é só lugar de leite. È lugar de deleite. Prazer. No seio se aprende que viver é bom. Viver é divino. O mundo é um corpo cheio de seios e os paraísos só aparecem àqueles que têm os olhos de criança.
Rubem Alves - Coisas que dão alegria

segunda-feira, abril 05, 2010

COMERCIAL DO FUSCA 1951

video

NOZ NA FITA


Pão com Manteiga




Conta a história que um casal tomava café da manhã no dia de suas bodas de prata.


A mulher passou a manteiga na casca do pão e o entregou para o marido, ficando com o miolo.

Ela pensou: "Sempre quis comer a melhor parte do pão, mas amo demais o meu marido e, por 25 anos, sempre lhe dei o miolo. Mas hoje quis satisfazer meu desejo. Acho justo que eu coma o miolo pelo menos uma vez na vida".


Para sua surpresa, o rosto do marido abriu-se num sorriso sem fim e ele lhe disse: "Muito obrigado por este presente, meu amor... Durante 25 anos, sempre desejei comer a casca do pão, mas como você sempre gostou tanto dela, jamais ousei pedir!"

Moral da história

1. Você precisa dizer claramente o que deseja, não espere que o outro adivinhe...

2. Você pode pensar que está fazendo o melhor para o outro, mas o outro pode estar esperando outra coisa de você...

3. Deixe-o falar, peça-o para falar e quando não entender, não traduza sozinho. Peça que ele se explique melhor.

4. Esse texto pode ser aplicado não só para relacionamento entre casais, mas também para pais/filhos, amigos e mesmo no trabalho.

PS: Tão simples como um pão com manteiga

SURFING DYNAMITE

video

QUANTO AMOR


o que é ter olhos num mundo de cegos

NÃO NOS ESQUEÇAMOS do que foi a nossa vida durante o tempo que estivemos internados, descemos todos os degraus da indignidade, todos, até atingirmos a abjecção, embora de maneira diferente pode suceder aqui o mesmo, lá ainda tínhamos a desculpa da abjecção dos de fora, agora não, agora somos todos iguais perante o mal e o bem, por favor, não me perguntem o que é o bem e o que é o mal, sabíamo-lo de cada vez que tivemos de agir no tempo em que a cegueira era uma excepção, o certo e o errado são apenas modos diferentes de entender a nossa relação com os outros, não a que temos com nós próprios, nessa não há que fiar, perdoem-me a prelecção moralística, é que vocês não sabem, não o podem saber, o que é ter olhos num mundo de cegos, não sou rainha, não, sou simplesmente a que nasceu para ver o horror,vocês sentem-no,eu sinto-o e vejo-o.

José Saramago em "Ensaio sobre a cegueira" Cia das Letras, p. 262.

EHHH MALDADE! KKKK

video

PÉROLAS DO ORKUT




todos os caminhos levam a Deus?


- OS QUE ME AMAM estão em todos os sistemas que existem. São budistas, mórmons, batistas ou muçulmanos, democratas, republicanos e muitos que não votam nem fazem parte de qualquer instituição religiosa. Tenho seguidores que foram assassinos e muitos que eram hipócritas. Há banqueiros, jogadores, americanos, iraquianos, judeus e palestinos.

Não tenho desejo de torná-los cristãos, mas quero me juntar a eles em seu processo para se transformarem em filhos e filhas do Papai, em irmãos e irmãs, em meus amados.

- Isso significa que todas as estradas levam a você?

De jeito nenhum - sorriu Jesus enquanto estendia a mão para a porta da oficina - A maioria das estradas não leva a lugar nenhum. O que isso significa é que eu viajarei por qualquer estrada para encontrar vocês.

William P. Young em "A Cabana" - Sextante - p. 168-169.

ALGUNS TRAÇOS NÃO DESCREVE O FINAL

video

A pergunta de Deus para a humanidade.

A PERGUNTA de Deus para a humanidade foi: "Onde estás?" (Gênesis 3.9). Esta é a pergunta ouvida por aqueles que internalizaram a moral de responsabilidade. A fé é uma forma de escutar, e aquilo que escutamos no silêncio imóvel da alma é a pergunta de Deus: "O que você tem feito com a dádiva que Eu lhe dei, a vida? Como você usa o seu tempo? Você vive para si mesmo ou vive também para os outros? A sua pergunta básica é 'O que o mundo pode me dar?' ou é 'O que eu posso dar para o mundo?' Você tem buscado a bênção ou você tem sido uma benção?"

Jonathan Sacks em "Para curar um mundo fraturado" - Editora Sefer - p.273.

SEM HIPOCRISIA


Rubem Alves - o valor da repetição



A repetição produz conforto. Os crentes estão sempre em busca do conforto quando vão às igrejas aos domingos. A repetição conforta porque ela afirma a imutabilidade da verdade. E na medida em que a verdade dita no momento é a verdade que alguém já está acostumado a ouvir, cria-se a certeza de ser-se senhor da verdade.

Não é por acidente, portanto, que o protestantismo brasileiro não tenha produzido teólogos. Só pode haver vocações para tarefas possíveis. Quando tudo já está feito, como se sentir vocacionado para fazê-lo? Um jovem estudante de teologia procurou um dos seus professores para dizer-lhe de seus planos de ir para a Europa estudar teologia. E isto foi o que lhe foi dito: "Moço, para que estudar teologia? Não há novidades. A teologia só pode repetir aquilo que você já estudou aqui. Por que, em vez de estudar teologia, você não estuda psicologia pastoral?".

Quer isto dizer que no protestantismo não existe um estudo de teologia? De forma alguma. Desejamos simplesmente indicar que a teoria protestante de conhecimento não permite teologia como tarefa crítica, exploratória, criadora, pois isto pressupõe que o pensamento cristalizado no passado não é absoluto. A tarefa não é criar conhecimento novo, mas justificar o conhecimento velho. A teologia se define, portanto, como a aprendizagem dos processos dedutivos pelos quais o texto foi transformado em um sistema de doutrinas.

Rubem Alves em Religião e Repressão , Editora Teológica, p.139.

ESQUISITOS